Atualizado pela ultima vez as 10:14:44
Notícias
(Notícia postada em 26/04/2018 às 10:45:55)
Equipes da UFFS – Campus Cerro Largo ficam em 2º e 3º lugar na III Competição Sul Brasileira de Identificação de Solos
Duas equipes de estudantes de Agronomia da UFFS – Campus Cerro Largo ficaram em 2º e 3º lugar na III Competição Sul Brasileira de Identificação de Solos, realizada na UFFS – Campus Chapecó nos dias 14 e 15 de abril. A Equipe A que ficou em 2º lugar foi composta pelos seguintes estudantes: Maicon Junior Rauber, Flávio de Lara Lemes e Cleidimar Gersone Steinke; a Equipe B, que ficou em 3º foi composta pelos seguintes estudantes: Jordana Duarte, Renan Brito Moreira, Augusto Gulartt Melo.

A primeira colocada ficou para a equipe da UFSM (Santa Maria). Na classificação individual, os estudantes do Campus também estão entre os primeiros: em primeiro lugar, a estudante Taciara Zborowski Horst (UFSM - Santa Maria); em segundo lugar, o estudante Cleidimar Gersone Steinke (UFFS – Campus Cerro Largo); em terceiro lugar, a estudante Jordana Baratiere Duarte (UFFS – Campus Cerro Largo); em quarto lugar, o estudante Flávio de Lara Lemes (UFFS – Campus Cerro Largo).

A 3a edição da competição contou com a participação de 5 equipes: duas da UFSM (uma de Santa Maria e outra de Frederico Westphalen), duas da UFFS (Campus - Cerro Largo) e uma da UFSC (Florianópolis). Os competidores foram estudantes de graduação e pós-graduação ligados à área de Pedologia, avaliados por professores e pesquisadores da área. Eles tiveram de avaliar os solos nos seguintes aspectos: nitidez, textura, cor, estrutura, consistência, potencial de uso do solo, entre outros. Os classificados vão competir no Congresso Mundial de Ciência do Solo, no dia 11 de agosto deste ano, no Rio de Janeiro (RJ).

A competição tem como objetivo promover a integração e troca de experiências entre alunos, professores e técnicos que atuam na área de Pedologia (Ciência do Solo), divulgar a área e permitir o conhecimento dos solos da região sede da competição, contribuindo para a formação dos pedólogos participantes, entre outros.

O evento é organizado pela Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (SBCS) – Núcleo Regional Sul, em parceria e apoio de várias entidades e instituições de ensino e pesquisa, além da UFFS: a EPAGRI (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina – Unidade Chapecó), Unoesc – Xanxerê (Universidade do Oeste de Santa Catarina), CAV/UDESC/Lages (Universidade do Estado de Santa Catarina – Centro de Ciências Agroveterinárias) e Unochapecó.

Por que estudar os solos?

Segundo o professor do Campus Cerro Largo, Douglas Kaiser, o solo pode ser considerado o substrato da vida, pois fornece água e nutrientes para as plantas, que são os produtores primários nos ecossistemas e a base da alimentação da humanidade. “Além disso, o atua como regulador do ciclo da água e como um filtro de poluentes, evitando que a água subterrânea seja poluída. Serve também como meio de descarte de resíduos, um reator biológico que controla os ciclos biogeoquímicos dos nutrientes e também atua na retenção de matéria orgânica, reduzindo as emissões de gases causadores do efeito estufa”, explica Kaiser.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), atualmente mais de 25% dos solos do planeta Terra estão degradados, o que representa um risco à segurança alimentar, para a biodiversidade e para a água. Segundo Kaiser, “isso vem preocupando a humanidade, que a cada dia vem crescendo e depende diretamente do solo para a produção de alimentos, fibras, biocombustíveis, água, etc”. Desta forma, a ONU – Organização das Nações Unidas decretou 2015 como o Ano Internacional dos Solos, e de 2015 a 2024, a Década Internacional do Solo, e “espera que a iniciativa atue para mobilizar a sociedade para a importância dos solos como parte fundamental do meio ambiente e os perigos que envolvem a degradação deles em todo o mundo”, argumenta o professor.

São considerados processos de degradação do solo a erosão, compactação e poluição. Kaiser explica que cada tipo de solo possui características próprias, que definem a sua aptidão agrícola ambiental. Dessa forma, solos mais rasos de encostas e solos arenosos são mais frágeis e suscetíveis à degradação, enquanto os solos mais profundos e argilosos em áreas planas possuem melhor aptidão para uso agrícola e ambiental.

No entanto, conforme alerta Kaiser, apesar da sua importância agrícola e ambiental, “pouca atenção tem sido dada a esse recurso natural de vital importância, e muitos problemas de degradação vem ocorrendo e passam despercebidos pela sociedade, que em geral desconhece o solo e suas múltiplas funções ecológicas”, conclui.
Crédito: ASCOM/UFFS
PUBLICIDADE
Enquete
Você é a favor ou contra o voto em branco?
RECADOS
Data: 2018-05-26 às 16:28:38
Sandro e micheli
Recado:Ola na escuta da radio juntos pela nacao na paralisacao dos camimhoneiros em entre ijuis!
Data: 2018-05-14 às 15:59:52
HECTOR RICARDO HARTMANN
Recado:Manda um abraço dos hartmann de Porto Vera Cruz para nosso amigo Delmar Bialas, depois do chocolate na bocha em São José ontem, uehuaheuaheua. Na versão do Guri de Uruguaiana gaúcha de 'Amor de Chocolate.
Receba as notícias do portal diariamente
diretamente ou semanalmente no seu e-mail:
Endereco/Contatos:
Rádio Ativa: Rua Santa Rosa - 375, apto. 01 - Centro - Campina das Missões/RS | (55) 3567-1300
Rádio Caibaté: Av. Santa Lúcia, 1401 - Caibaté/RS | (55) 3355-1335
Rádio Navegantes: Rua Paraguai, 42 - Centro - Porto Lucena/RS | (55) 3565-1200