Quinta-feira, 16 de Setembro de 2021
ESCOLHA UMA EMISSORA
Rádio
Ativa
Rádio
Caibaté
Rádio
Navegantes

A AstraZeneca diz que não consegue vender doses de sua vacina para empresas por enquanto

Publicado em 27/01/2021 11:13:09
MÍDIA PATROCINADA
MÍDIA PATROCINADA
MÍDIA PATROCINADA

A farmacêutica AstraZeneca afirmou nessa terça-feira (26) que não tem condições de vender doses de sua vacina, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, contra a covid-19 para empresas brasileiras. Em nota, a empresa informou que seu compromisso prioritário é com governos e com a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Entenda o tema em 6 pontos:

1) Empresários brasileiros pediram autorização ao governo federal para comprar 33 milhões de doses; o grupo pretendia doar metade delas para o Sistema Único de Saúde (SUS);

2) O presidente Jair Bolsonaro disse que o governo é favorável à compra;

3) A posição de Bolsonaro gerou racha no governo, já que ministros da área política são contra a autorização;

4) Após aval de Bolsonaro, AstraZeneca disse em nota que não tem vacinas disponíveis no momento para o setor privado;

5) Farmacêutica é alvo de críticas e duras cobranças pela União Europeia por admitir que vai atrasar entregas para o bloco por falta de vacinas disponíveis;

6) Além disso, a compra de doses pelo mercado privado é alvo de críticas de especialistas e de entidades.

No começo do mês, o Conselho Nacional de Saúde (CNS), órgão ligado ao ministério da Saúde, condenou outra proposta que envolvia o setor privado. Na ocasião, clínicas privadas buscavam negociar compra de vacina em desenvolvimento na Índia pelo laboratório Bharat Biotech.

Em carta divulgada no começo de janeiro, o CNS disse que “é inadmissível permitir que pessoas com dinheiro pulem a fila de vacinação”.

Acordos prioritários

No posicionamento divulgado nessa terça, a farmacêutica AstraZeneca detalhou que atualmente sua prioridade é cumprir acordos com governos e com a OMS.

“No momento, todas as doses da vacina estão disponíveis por meio de acordos firmados com governos e organizações multilaterais ao redor do mundo, incluindo da Covax Facility [consórcio coordenado pela OMS], não sendo possível disponibilizar vacinas para o mercado privado”, disse a farmacêutica.

A vacina desenvolvida pela AstraZeneca, em parceria com a Universidade de Oxford, tem autorização para uso emergencial no Brasil. O governo federal fez um acordo para obter 100 milhões de doses desse imunizante. As doses pretendidas pelo setor privado não estão nesse acordo.

Governo favorável, mas rachado

Também nessa terça, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governo federal assinou uma carta de intenções favorável à compra de 33 milhões de doses da vacina da AstraZeneca por empresas do Brasil.

Ainda de acordo com Bolsonaro, o governo defende que metade dessas doses sejam doadas para o SUS e a outra metade, aplicada em funcionários dessas empresas, para garantir que a economia do País não pare.

AstraZeneca
governo
federal
sus